Blog de Negociação

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

5
(2)

Tipos de mediação de conflitos

Existem vários tipos de mediação disponíveis para quem busca uma solução eficiente e de custo relativamente baixo para gerenciar conflitos. Qual deles você deve escolher?

Quando as partes envolvidas em um conflito desejam evitar uma batalha judicial, uma boa alternativa é recorrer à mediação. Nesse processo, um mediador treinado tenta ajudar as partes a encontrar pontos comuns, usando princípios de negociação colaborativa e criativa. Tendemos a pensar que os processos de mediação são todos iguais, mas na realidade os mediadores seguem abordagens diferentes, dependendo do tipo de conflito com o qual estão lidando. Ao escolher um(a) mediador(a), portanto, considere também os estilos e os tipos de mediação que ele(a) utiliza para gerenciar os conflitos.

Mediação Tradicional

Na mediação tradicional, ou facilitadora, um mediador profissional tenta facilitar a negociação entre as partes em conflito. Em vez de fazer recomendações ou impor uma decisão, o mediador incentiva os participantes a alcançar sua própria solução de maneira voluntária, explorando os interesses mais profundos. A mediação tradicional é baseada no modelo de Harvard, em que são estabelecidos critérios justos, são diferenciadas as posições de interesses e separadas as pessoas dos problemas.

Mediação Judicial

Embora a mediação seja tipicamente definida como um processo completamente voluntário, ela pode ser determinada por um tribunal interessado em promover um acordo rápido e econômico. Quando as partes e seus advogados relutam em se dedicar à mediação, suas chances de se reconciliarem por meio da mediação judicial são baixas, pois elas podem estar apenas obedecendo aos rituais do processo. Mas quando as partes vêem os benefícios de se envolver na mediação, as taxas de liquidação são muito mais altas.

Mediação Avaliativa

Em contraste direto com a mediação facilitadora está a mediação avaliativa, um tipo de mediação na qual os mediadores têm maior probabilidade de fazer recomendações e sugestões e de expressar opiniões. Em vez de focar principalmente nos interesses subjacentes das partes envolvidas, é mais provável que os mediadores avaliadores ajudem as partes a avaliar os méritos legais de seus argumentos e fazer determinações justas. A mediação avaliativa é mais frequentemente usada na mediação judicial, e os mediadores avaliativos geralmente são advogados com experiência jurídica na área da disputa.

Mediação Circular Narrativa

Esse modelo, proposto por Sara Cobb, leva em consideração as narrativas das partes sobre o problema enfrentado e o mediador busca encontrar uma narrativa comum que seja aceita por todos os envolvidos. O modelo parte do princìpio que todas as pessoas constroem narrativas que representam suas relações e justificam seus argumentos. Procura, evitar determinismos, não assumindo que as pessoas possam ser intrinsecamente agressivas, frágeis, boas, ou depressivas, por exemplo, mas que desenvolvem esses comportamentos a partir de suas experiências de vida.

Mediação Transformadora

Na mediação transformadora, os mediadores concentram-se em capacitar os participantes para resolver seus conflitos e incentivá-los a reconhecer as necessidades e interesses um do outro. Descrita pela primeira vez por Robert A. Baruch Bush e Joseph P. Folger em seu livro de 1994, The Promise of Mediation, a mediação transformadora está enraizada na tradição da mediação facilitadora. Na sua forma mais ambiciosa, o processo visa transformar as partes e seu relacionamento através do processo de aquisição das habilidades necessárias para realizar mudanças construtivas.

Med-Arb

No med-arb, um híbrido de mediação-arbitragem, as partes chegam primeiro a um acordo sobre os termos do processo. Diferentemente da maioria das mediações, elas geralmente concordam por escrito que o resultado do processo será vinculativo. Em seguida, tentam negociar uma solução para a disputa com a ajuda de um mediador. Se a mediação terminar em um impasse ou se os problemas permanecerem não resolvidos, o processo não terminará. Nesse ponto, as partes podem passar à arbitragem. O mediador pode assumir o papel de árbitro (se ele estiver qualificado para fazê-lo) e tomar uma decisão vinculativa rapidamente com base em seus julgamentos, no caso como um todo ou em questões não resolvidas. Como alternativa, um árbitro pode assumir o caso após consultar o mediador.

Arb-Med

Em arb-med, outro entre os tipos de mediação, um terceiro treinado e neutro ouve as evidências e os testemunhos dos disputantes em uma arbitragem; escreve uma decisão, mas não a comunica às partes; tenta mediar o conflito; e, dependendo do resultado, cancela ou emite sua decisão previamente determinada, escreve Richard Fullerton em um artigo no Dispute Resolution Journal. O processo elimina a preocupação obsevada nas med-arb sobre o uso indevido de informações confidenciais, mas mantém a pressão das partes para chegarem a um acordo, observa Fullerton. Surpreendentemente, no entanto, o árbitro / mediador não pode mudar sua decisão anterior com base em novas idéias obtidas durante a mediação.

Mediação Warattiana

Proposta por Luis Alberto Warat, a mediação warattiana é um dos tipos de mediação mais peculiares, pois trabalha o amor. E não tem como objetivo chegar necessariamente em um acordo, mas em construir a diferença e a alteridade entre as partes. Desse modo, visa que os litigantes possam reconhecer o amor ao outro.Esse modelo se intitula Terapia do Amor Mediado e propõe não apenas o amor e a sensibilidade como uma forma de mediação, mas como sentimentos desenvolvidos ao longo do processo judicial.

E-Mediação

Na mediação eletrônica, um mediador fornece serviços de mediação a partes distantes umas das outras, ou cujo conflito é tão intenso que elas não suportam ficar no mesmo ambiente, escrevem Jennifer Parlamis, Noam Ebner e Lorianne Mitchell em um capítulo do livro Advancing Workplace Mediation Through Integration of Theory and Practice. A mediação eletrônica pode ser um sistema on-line de resolução de disputas totalmente automatizado, sem a interação de terceiros. Porém, é mais provável que se pareça com a mediação facilitadora tradicional, realizada à distância, escreva os autores.

Graças a serviços de videoconferência, como Skype e Google Hangouts, as partes agora podem se comunicar de maneira fácil e barata em tempo real, além de se beneficiarem de dicas visuais e auditivas. Os primeiros resultados da pesquisa sugerem que a mediação aprimorada pela tecnologia pode ser tão eficaz quanto as técnicas tradicionais de meditação. Além disso, as partes geralmente a consideram um processo de baixo estresse que promove a confiança e as emoções positivas.

Fontes:

Você já usou algum desses tipos de mediação? Conhece outros? Deixe sua dúvida, crítica, comentário ou compartilhe uma experiência. Ficaremos felizes em responder. Se quiser desenvolver suas habilidades de negociação ou as de sua equipe, conheça nosso Treinamento de Negociação, nas versões presencial e online.

Qual a probabilidade de você recomendar esta atividade?

Deixe sua avaliação!

Classificação média 5 / 5. Contagem de votos: 2

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar esse coteúdo.

Você gostou deste conteúdo?

Compartilhe-o com seus amigos!

Que pena que não gostou do conteúdo!

Deixe-nos melhorá-lo!

O que podemos melhorar para deixar você feliz?

CATEGORIAS

Pesquise por Categoria

PRÓXIMOS EVENTOS

Nenhum evento encontrado!

ÚLTIMOS ARTIGOS

Conheça seu Perfil

Conheça
seu Perfil de Negociação

Realize o questionário gratuitamente e veja como seu estilo para lidar com conflitos afeta o resultado de suas negociações.

Usamos cookies para garantir que você tenha a melhor experiência possível de navegação em nosso website.